Olho Seco

Olho seco é uma condição que se apresenta quando não existem lágrimas em quantidade e qualidade suficientes para manter os olhos lubrificados, podendo o problema afetar apenas um olho ou ambos.

As lágrimas visam proteger a superfície ocular das infecções e efeitos nocivos do meio ambiente, além de colaborar para formar uma interface e permitir adequada visão. Elas contêm vitaminas, minerais, proteínas e lipídios. A presença de todas estas substâncias permite às lágrimas hidratar, alimentar e lubrificar a córnea.

As lágrimas são produzidas pelas glândulas lacrimais, situadas atrás da pálpebra superior. Com o piscar, elas se espalham e tornam a superfície corneana brilhante e transparente, formando o filme lacrimal. O filme lacrimal, por sua vez, é constituído por três camadas: lipídica, aquosa e mucina. A camada lipídica é a mais externa e impede a evaporação da lágrima; a camada mais interna é a mucina e permite adesividade do filme lacrimal à córnea e ainda temos a camada aquosa, que é constituída por água.

O olho pode ser considerado seco se alguma destas camadas estiver alterada.

Os sintomas mais frequentes são vermelhidão, ardência, lacrimejamento, irritação e sensação de desconforto, aversão à luz, além de sensação de visão turva ou “embaçada” ao final do dia principalmente.

As causas mais associadas ao olho seco são a idade, a menopausa, o uso de computador ou dispositivos eletrônicos (tablets, smartphones) de forma excessiva, ar condicionado, uso de lentes de contato e alguns medicamentos (diuréticos, anti-histamínicos, benzodiazepínicos, antidepressivos, analgésicos e contraceptivos), além de pacientes que realizaram cirurgias refrativas e certas doenças (por ex. disfunções de tireoide, hipovitaminoses, doenças reumatológicas, entre outras).

Em determinadas ocasiões ou circunstâncias, o olho pode estar seco sem que exista qualquer problema ocular ou doença dos olhos. A poluição, o excesso de exposição ao sol, o vento, a exposição ao ar condicionado ou ambientes que de alguma forma tornem o ar mais seco, são fatores que podem atuar como facilitadores na evaporação das lágrimas e deste modo provocar sensação de ressecamento ocular.

Plug LacrimalO tratamento para olho seco passa essencialmente pela utilização de lágrimas artificiais em gotas (colírios) colocadas nos olhos várias vezes ao dia ou pomadas, conforme a necessidade e avaliação feita pelo oftalmologista. Por vezes, somente a utilização destes medicamentos não é suficiente e em determinadas situações, a oclusão dos pontos lacrimais com plugs especiais é útil, permitindo a manutenção da lágrima na superfície ocular por mais tempo.

O médico oftalmologista, com base na observação e exames efetuados, tomará a decisão sobre o tratamento mais adequado a cada doente.

A Dra. Taíse Tognon participou como debatedora de vídeo-aula ministrada pela Soblec (Sociedade Brasileira de Córnea e Refratometria Ocular) sobre o novo consenso mundial de Olho Seco (DEWS). Confira: